PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL

Artigos Publicados

 

- MUCOCELE - APRESENTAÇÃO DE 3 CASOS INCOMUNS

Revista XXV de Janeiro da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, volume 35 em Dezembro de 1987, nas páginas 38 à 41 .

Resumo :

Classicamente a mucocele se apresenta sob forma de bolha ou vesícula na mucosa ou semi - mucosa labial inferior , como lesão única .

São apresentados 3 casos incomuns , sendo o primeiro , de múltiplas bolhas na mucosa labial inferior , o segundo caso apresentava - se com lesão nodular sub - mucosa na língua e o terceiro caso , como bolha no ventre da língua .

 

- CÂNCER BUCAL - COMUNICAÇÃO DO DIAGNÓSTICO AO PACIENTE

Revista Paulista de Odontologia Ano XVII n.º 4 Julho/Agosto de 1995 nas páginas 5 e 6 .

Resumo :

Neste trabalho são descritas algumas técnicas de comunicação ao paciente do diagnóstico de um tumor maligno, sempre enfatizando a necessidade do profissional estar preparado para as reações e dúvidas do paciente.

 

- PREVALÊNCIA DE LESÕES BUCAIS NA POPULAÇÃO

Revista Paulista de Odontologia Ano XVIII, n.º 3 Maio/Junho 1996, nas páginas 16 à 20.

Resumo :

Foi realizado na cidade de Indaiatuba um trabalho de campo para pesquisa de prevalência de lesões na cavidade bucal. Em uma primeira etapa foram examinados 1140 pacientes dos quais 206 (17,97%) apresentavam lesões bucais. Destes, retornaram para uma segunda etapa 141, que foram submetidos a exame clínico mais detalhado e exames complementares quando necessário.

 

- AMELOBLASTOMA ORIGINÁRIO DE CISTO DENTÍGERO - RELATO DE UM CASO CLÍNICO

Revista Paulista de Odontologia, Ano XVIII, número 5 - Setembro/Outubro de 1996, nas páginas 36, 37, 38, 41 e 42..

Resumo:

É relatado um caso de Ameloblastoma originário de um cisto dentígero, localizado na região de corpo e ângulo de mandíbula, comprovado pelo diagnóstico clínico, radiográfico e histológico. Além da apresentação do caso clínico com ênfase ao processo diagnóstico, é realizada uma ligeira revisão de literatura.

 

- SÍNDROME DE EAGLE - APRESENTAÇÃO DE 3 CASOS CLÍNICOS E REVISÃO DA LITERATURA.

Revista Paulista de Odontologia, Ano XVIII, número 6 - Novembro/Dezembro de 1996., nas páginas26, 27 e 28.

Sinopse :

A Síndrome de Eagle é caracterizada pelo alongamento do processo estiloide do osso temporal associada à sintomatologia dolorosa em região temporomandibular. Este trabalho tem como objetivo discutir a sintomatologia e o diagnóstico da Síndrome de Eagle, apresentando três casos clínicos.

 

- Prevenção do Câncer Bucal” da revista APCD vol.52 nº1 JAN/FEV 1998 pg.87 , sessão Orientando o Paciente

 

- LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA

Revista APCD volume 51 nº6 NOV/DEZ 1997 pg. 543/547.

Sinopse :

A Leishmaniose tegumentar Americana é uma afecção com comportamento endêmico e tem sua importância epidemiológica alicerçada na incid6encia e nos quadros clínicos graves conhecidos que, se não diagnosticados ou diagnosticados incorretamente, podem evoluir determinando severas mutilações milhares de pessoas são atingidas por essa parasitose a cada ano, com repercussão na saúde pública de muitas populações segundo a O.M.C., calcula-se que 350 milhões de pessoas estão expostas ao risco de contrair a doença e que é de 12 milhões o número atual de infectados. A enfermidade predomina nas regiões tropicais e subtropicais em desenvolvimento. Assim, o cirurgião dentista tem papel importante no diagnóstico e no encaminhamento do paciente para o tratamento médico.

 

- EPIDEMIOLOGIA DO CARCINOMA ESPINOCELULAR

Revista Paulista de Odontologia, ano XIX nº6 - NOV/DEZ de 1997 pg. 24 à 27

Resumo:

O presente trabalho analise as principais características clínicas e epidemiológicas do carcinoma espinocelular da boca com base em 244 casos atendidos no Instituto Arnaldo Vieira de Carvalho / São Paulo. São apresentados e discutidos os seguintes dados : idade, sexo, raça, e sítios anatômicos mais atingidos. estuda também os hábitos bucais mais implicados na etiologia desta neoplasia maligna.

 

- BIÓPSIA - INDICAÇÕES E TÉCNICA

Revista da APCD Vol. 52 n.º 3, Maio/Junho 1998, páginas 213 à 216.

Sinopse :

A biópsia de uma lesão bucal é um meio seguro, fácil e confiável, que contribui para o diagnóstico definitivo da grande maioria das lesões. Os riscos de realizá-la são mínimos e muito inferiores ás consequ6encias de um diagnóstico errôneo. Este trabalho tem por objetivo esclarecer suas indicações e técnicas e, ainda desmistificá-la tanto para o profissional, que muitas vezes tem receio em executá-la, como para o paciente que acredita que ela é um sinônimo de tumor maligno.

 

- FIBROMA OSSIFICANTE PERIFÉRICO

Revista Paulista de Odontologia, ano XX, n 04, Julho/Agosto 1998, páginas 04 à 06.

Resumo:

Neste trabalho os autores discutem a etiologia, características clínicas, aspectos radiográficos e causas das recidivas do Fibroma Ossificante Periférico (FOP).

 

- HIPERPLASIA FIBROSA INFLAMATÓRIA

Revista Paulista de Odontologia, ano XXI,n 2, Março/Abril 1999, páginas 40 à 44.

Resumo:

As Hiperplasias Fibrosas Inflamatórias são lesões frequentes na mucosa bucal, principalmente em pacientes que fazem uso de próteses mal adaptadas ou inadequadas. Os autores apresentam algumas considerações sobre: frequência, sexo, aspectos clínicos, transformação maligna e tratamento dessas lesões de origem traumática.

 

- EPIDEMIOLOGIA DO CARCINOMA ESPINO CELULAR DA BOCA - ANÁLISE DE 244 CASOS

Collectanea Symposium, Série Medicina e Saúde, do Livro Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer Bucal, páginas 09 à 16, da Frôntis Editorial , lançado durante o Congresso de Câncer Bucal em Maio de 1999.

 

- CÂNCER BUCAL: COMUNICAÇÃO DO DIAGNÓSTICO AO PACIENTE.

Collectanea Symposium, Série Medicina e Saúde, do Livro Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer Bucal, páginas 119 à 123, da Frôntis Editorial, lançado durante o Congresso de Câncer Bucal em Maio de 1999.

 

- ULCERAÇÕES AFTOSAS RECORRENTES - ASPECTOS CLÍNICOS E CONSIDERAÇÕES SOBRE TRATAMENTO.

Revista Paulista de Odontologia, páginas 16,17 e 18, Ano XXII- nº3 - Maio/Junho 2000.

Resumo:

Entre as diversas lesões das mucosas bucais, talvez sejam as úlceras aftosas recorrentes (UAR) as mais frequentes. Apesar de seu caráter benigno causam bastante desconforto aos pacientes e por etiologia desconhecida seu tratamento é bastante controverso. Os autores realizam revisão bibliográfica priorizando a etiologia e tratamento, apresentando alguns casos clínicos.

 

- PRINCÍPIOS DE BIOSSEGURANÇA EM IMPLANTODONTIA.

Revista da Associação Paulista dos Cirurgiões Dentistas, nas páginas 329 à 334, vol.54, nº4, jul / ago 2000

Resumo:

A adoção de medidas de controle possibilita um eficiente combate às doenças infecciosas. Oferecer aos pacientes total assepsia é responsabilidade de todo profissional consciente. Tão importante quanto o planejamento e a técnica cirúrgica é a manipulação dos materiais, a limpeza, a desinfecção e a paramentação da sala, a antissepsia e a paramentação dos profissionais, o preparo adequado dos pacientes e o destino dos defeitos desses procedimentos. Este trabalho visa orientar o cirurgião dentista clínico ou especialista por meio de um protocolo cirúrgico adequado para a colocação de implantes utilizando medidas de precauções universais.

 

- PREVALÊNCIA DE DISFUNÇÃO CRANIOMANDIBULAR ENTRE OS PACIENTES PORTADORES DE PRÓTESE TOTAL.

Revista Paulista de Odontologia , páginas 4,5,6,8 e 9, Ano XXII - nº 5 Setembro/Outubro 2000.

Resumo:

Foi investigado a prevalência de disfunção craniomandibular (DCM) apenas entre os pacientes desdentados totais que procuraram a clínica de Prótese Total da Faculdade de Odontologia de Araras, para a realização de uma nova prótese. A partir de então foram entrevistados e os dados coletados foram analisados. Os resultados mostraram que 38,89% não apresentaram sintomas de DMC; 44,44% apresentaram sintomas leves; 9,72% apresentaram DCM moderada e 6,94% apresentaram sintomas severos. Conclui-se que os profissionais deveriam estar mais atentos à presença de sinais e sintomas de DMC nos pacientes desdentados totais, para que possam estabelecer um plano de tratamento correto para uma prótese total confortável.

 

- ASPECTOS FÚNGICOS DO CÂNCER BUCAL

Revista Brasileira de Cancerologia, Rio de Janeiro-RJ, v. 46, n. 3, p. 279-282, 2000.

Resumo

Tendo em mente os aspectos relacionados à presença de fungos e seu discutível papel em relação ao câncer bucal, avaliou-se 33 pacientes fumantes e etilistas crônicos, livres de qualquer tratamento antineoplásico ou antifúngico, com carcinoma epidermoide da mucosa bucal em estádio T1N0M0 ou T2N0M0. Dos 42 pacientes, 4% eram portadores de fungos, destacando-se a presença de Candida albicans, além de outras seis espécies, ora associadas ora isoladas. Lesões clínicas sugestivas de candidíase pseudomembranosa ou eritematosa não foram detectadas. Mesmo frente à ausência de manifestações clínicas de candidíase, é necessário lembrar que mudanças podem ocorrer em face do desenvolvimento de neoplasia, tratamento instituído ou mesmo condições imunológicas, facilitando a seletividade, colonização e desenvolvimento patogênico dos fungos, merecendo estes pacientes atenção e cuidados frente aos aspectos micológicos envolvidos.

 

- DISPLASIA FIBROSA DO COMPLEXO MAXILO MANDIBULAR.

JADA, The Journal of the American Dental Association, nas páginas 50 à 53, volume 4 nº1, Janeiro/Fevereiro 2001.

Resumo:

Os autores fazem uma breve revisão bibliográfica e relatam um caso de Displasia Fibrosa que envolve a maxila e região zigomática, abordando os aspectos clínicos, histológicos, radiológicos e tratamento de um paciente do sexo masculino com 67 anos de idade.

 

- BOCHECHOS COM RESÍDUOS DE CREME DENTAL FLUORETADO. USO EM CRIANÇAS BRASILEIRAS, SEU SIGNIFICADO E IMPORTÂNCIA

Revista Paulista de Odontologia, São Paulo-SP, n. 3, p. 15-17, 2002.

Resumo:

Considerando a necessidade de aumentar a proteção à cárie nas superfícies dentarias, os autores propõem o uso de bochechos com o resíduo de creme dental fluoretado após as escovações para as crianças brasileiras que apresentem um maior risco à carie. Este método parece ser bastante interessante já que o mesmo pode substituir os bochechos de soluções de NaF a 0,05% com a mesma eficácia. O uso deste método em odontologia de saúde coletiva pode minimizar os custos, reduzindo a doença cárie nos espaços interdentais, contudo são necessários estudos de longa duração para uma melhor observação dos efeitos desta técnica além de sua possíveis consequências.

 

- DIABETES MELLITUS: REVISÃO E CONSIDERAÇÃO NO TRATAMENTO ODONTOLÓGICO.

Revista Paulista de Odontologia, São Paulo-SP, n. 6, p. 15-18, 2003.

Resumo:

Doença multissistêmica com consequências bioquímicas e estruturais decorrentes de um distúrbio crônico do metabolismo dos carboidratos, gorduras e proteínas devido a um defeito ou deficiência da resposta secretora do hormônio insulina o diabete mellitus' é uma doença perigosa, pois o descuido por parte do paciente, e dos promotores de saúde, tal como o cirurgião dentista, pode piorar a qualidade de vida do doente, e até mesmo levá-lo à morte, exigindo um conhecimento aprofundado já que o diabetes possui vários fatores que intervêm na condição bucal e no procedimento odontológico. Portanto, mais que uma necessidade, é um dever saber diagnosticar, prescrever e, mais importante, saber manejar o paciente diabético corretamente eliminando riscos de complicações e melhorando qualitativamente sua vida.