COMO DESINFETAR CHUPETAS

As chupetas apresentam-se contaminadas por microrganismos?

 

O uso da chupeta pode apresentar efeitos negativos sobre a dentição, a fala e, possivelmente, contribuir para o desmame precoce.

 

Entretanto, os pesquisadores têm se preocupado apenas com os efeitos da sucção não nutritiva, particularmente em relação ao complexo orofacial e à satisfação psicoemocional da criança, sendo poucos os estudos direcionados à avaliação da contaminação microbiana das chupetas.

 

Pesquisas sugerem que a utilização da chupeta se constitui em um meio efetivo para o transporte dos inúmeros microrganismos, patogênicos ou não, existentes na cavidade oral, os quais podem ocasionar o desenvolvimento de otite média, candidose, lesões de cárie, diarreia e parasitoses intestinais por contaminação fecal, entre outros.

 

Até o momento, o microrganismo mais estudado como contaminante das chupetas é a Candida albicans, por ser o agente etiológico da candidíase, uma doença infecciosa comum na infância.

 

No entanto, sabe-se que outros microrganismos como lactobacilos e estreptococos do grupo mutans também podem colonizar o látex ou o silicone do bico das chupetas (Figura 1).

 

Apesar disso, as chupetas, na maior parte das vezes, não são desinfectadas após sua utilização, sendo apenas enxaguadas e secas.

 

Qual a importância da desinfecção das chupetas?

A utilização de agentes químicos ou físicos para a desinfecção das chupetas faz-se necessária para evitar que esses objetos de uso pessoal e rotineiro em idades precoces se tornem veículos para a transmissão ou reinoculação de microrganismos em crianças.

 

As embalagens das chupetas em geral contêm as seguintes instruções: ferver a chupeta antes de usar e guardar em local seco e fechado; não colocar laços ou fitas para prender a chupeta no pescoço, devido ao risco de estrangulamento; examinar a chupeta regularmente, jogando-a fora quando estiver danificada; e não mergulhar a chupeta em substâncias doces, para prevenção do desenvolvimento de lesões de cárie.

 

Ao nosso ver, um protocolo eficaz para a desinfecção, de fácil execução, deveria também ser incluído nas instruções das embalagens, a fim de instruir os responsáveis sobre a utilização das chupetas por seus filhos.

 

Como deve ser efetuada a desinfecção das chupetas após sua utilização?

As chupetas devem ser desinfetadas antes da primeira utilização e, pelo menos 1 vez ao dia, após o seu uso.

 

Para esse procedimento, a opção mais prática e eficaz é lavar a chupeta após o uso, remover o excesso de água e borrifar um antimicrobiano, o gluconato de clorexidina a 0,12%, acondicionado em um frasco spray (adquirido em farmácias de manipulação), em toda a superfície do látex ou silicone do bico (Figura 2).

 

Em seguida, a chupeta pode ser guardada no local de costume. Antes que a criança utilize novamente a chupeta, essa deverá ser lavada em água corrente.

 

Como alternativa, sugerimos aos pais ou responsáveis submeter as chupetas, diariamente, à fervura em água por 15 minutos.

 

Fonte: Revista APCD – Vol. 60 Nº 01